Para ser mais inteligente você precisa saber o porque, quando, como, quanto estudar.

Por que estudar?

Existem várias razões que nos fazem estudar.

  • Identificar oportunidades de aprendizado para evoluir, agregar valor e se diferenciar na sociedade.
  • Aumentar o conhecimento para perceber e compreender mais por meio da razão ou experiências.
  • Aumentar as várias inteligências – lógica, linguística, visual, cinestésica, emocional (intrapessoal e interpessoal) e musical.
  • Atingir Objetivos – suplantar desafios e ganhar competições.
  • Fazer coisas – de forma diferente e mais rápida.

Quando estudar?

A aula do dia deve ser estudada no mesmo dia; o melhor momento é imediatamente após a aula; em pequenas doses.

É eficiente estudar antes de dormir?

Sim! Dessa forma “avisamos” ao cérebro que aquele assunto foi alvo de atenção, é importante e não deve ser apagado pelo cérebro durante o sono.

Se você assistir uma aula pela manhã, qual o melhor momento de estudá-la?

À tarde (e não no outro dia); se assistir a aula à tarde deverá estudá-la à noite e se assistir à noite, deverá estudá-la antes de dormir. De uma forma geral sempre estudar a aula no mesmo dia de que a assistiu.

Qual o benefício de estudar no mesmo dia em que assistiu uma aula?

Ela ficará gravada na sua mente de longo prazo! No entanto, é necessário relembrar o aprendizado ao longo do tempo.

O que deve ser feito em termos de frequência de estudo?

Estudar pouco, mas todo dia!

Existe um dia no qual nunca você deve estudar?

Sim! Na véspera de uma prova ou teste

Quanto estudar?

Devemos estudar pouco e sempre!

Quanto é esse pouco?

Você deve descobrir, ao longo do tempo, avaliando os resultados.

Como escolher o que estudar?

Tomar cuidado com as armadilhas criadas por você mesmo; nós temos a tendência de deixar de lado justamente aquilo que temos mais dificuldades e procrastinar aquilo que temos deficiência.

Quais as células do cérebro que retêm o conhecimento?

As células do cérebro que retêm o conhecimento são os neurônios, via conexões com outros neurônios; essas conexões são chamadas de sinapses.

Quando os neurônios são utilizados intensamente, podem se esgotar em 30 a 40 minutos.

Para que os neurônios possam continuar desempenhando o seu papel e necessário tempo para recompor.

Como perceber que os nossos neurônios estão esgotados?

Quando não conseguimos concentrar a atenção!

Por exemplo, quando lemos um texto e desviamos para um pensamento paralelo e continuamos lendo e esquecemos o que acabamos de ler.

Quanto tempo devemos descansar para recompor os neurônios?

Estudar por um período de 30 minutos e dar um intervalo de 5 a 10 minutos (ver Técnica Pomodoro); mas não utilize durante esse intervalo nenhum equipamento com tela, tipo TV, videogame, computador ou smartphone.

Podemos estudar e descansar em intervalos de tempo diferentes?

Sim! mas não mais que 50 minutos de foco e 15 minutos de descanso.

Como estudar?

Aprendendo a ser um autodidata.

Além de saber quando e quanto estudar, saber como estudar.

O que significa ser um autodidata?

Ser professor de si mesmo.

Assistir as aulas para entender e estudar para aprender de verdade.

Desenvolver a capacidade de aprender algo sem ter um professor ou mestre lhe ensinando ou ministrando aulas.

Direcionar o seu esforço particular para desenvolver caminhos, métodos, ferramentas cognitivas para a sua aprendizagem continuada.

O autodidatismo é alvo de estudos acadêmicos, devido especialmente a expansão de sistemas educacionais on-line.

Na aula você aprende?

Na aula você não aprende … na aula você entende.

Na verdade você aprende quando está sozinho!

Reflita sobre o ditado chinês: “Quando você vir um homem com fome, não lhe dê um peixe … ensine-o a pescar.

Qual o intervalo de tempo mais importante para o aprendizado?

O que você passa estudando sozinho.

Como deve ser o local de estudo?

Você deve estar num lugar sossegado, confortável e que permita concentração.

Você pode estudar escutando música?

Pode! Mas com regras!

O cérebro usa “processamento paralelo” – várias partes do cérebro conseguem realizar tarefas diferentes ao mesmo tempo (por exemplo, dirigir, mascar chiclete, escutar um som e conversar ao mesmo tempo) …

  • Cada um dos hemisférios cerebrais são especializadas para fazer atividades específicas.
  • Do lado direito os módulos cognitivos: 1) linguístico e 2) lógico matemático; no lado esquerdo os módulos 3) musical e 4) espacial.
  • Nós para estudarmos usamos mais os módulos 1, 2 e 4.
  • Se você estudar escutando música instrumental (num idioma que você não entenda), não apenas o módulo 3 não interferirá, como ajudará a abafar outros ruídos do meio ambiente que podem atrapalhar a sua concentração.
  • Se for uma música num idioma que você entenda, haverá uma interferência da letra da música no seu módulo 1 e distrairá a sua atenção.

Devemos usar os sentidos para aprender?

Sim! Devemos combinar todos os sentidos para aumentar a capacidade de aprendizagem.

  • Se você ouve você esquece; se você vê, você entende, se você faz você aprende!
  • Não adianta ler um livro de forma passiva e fazer marcações em alguns trechos mais interessantes.
  • Tente descobrir as questões mais importantes e escreva-os numa folha de papel; o ato de escrever ajuda na fixação.
  • O papel pode ser jogado no lixo na sequência, já que o mais importante não é o que está gravado nele e sim na sua mente; o que importa é o ato de escrever e não o que está escrito.

Qual a matéria mais fácil de aprender?

Matemática!

Isso ilustra a diferença entre entender e aprender.

  • A matemática é mais difícil de se entender, mas é mais fácil de aprender, via a repetição.
  • Uma vez que um conceito matemático é entendido, se torna fácil de ser repetido e aprendido!
  • Estudar matemática é fazer, fazer e fazer.

Qual a diferença entre entender e aprender?

Durante as aulas normalmente você ouve e vê e pouco faz.

Isso significa que durante as aulas, se muito, você entende.

Depois no estudo, você tem a chance de fazer – resolver problemas, elaborar um resumo de um texto, escrever, desenhar…

É no momento do estudo que você aprende.

Você aprende quando faz!

Como o bom professor ensina o aluno?

O bom professor ensina para fazer o aluno a entender e gostar do que está sendo apresentado.

Qual o único professor capaz de fazer um aluno aprender?

O próprio aluno!

Por que estudar?

As pessoas buscam aprender por várias razões, que podem ser de curto e longo prazo,

  • Identificar oportunidades de aprendizado, evolução e diferenciação.
  • Aumentar conhecimento e a Inteligência.
  • Atingir objetivos, suplantar desafios e ganhar competições.
  • Fazer coisas de forma diferente e mais rápida.

Quando estudar?

  • Estudar pouco, em intervalos, todo dia (gerenciamento do tempo).
  • Não postergar uma atividade, estudo ou resolução de problema para a véspera da prova ou compromisso (pensamento focado e difuso).
  • O estudo de um novo aprendizado deve ser feito tão logo possa, no mesmo dia, em “pequenas doses”. (memória de longo prazo)
  • É eficiente estudar antes de dormir, para preparar o subconsciente para trabalhar por você durante o sono.

Quanto estudar?

  • Pouco e sempre; calibrar o quão pouco ao longo do tempo.
  • Não exagerar o foco no que já sabe e procrastinar aquilo que não sabe (ou tem dificuldade de estudar).
  • Não sobrecarregar os neurônios com longos períodos de estudo sem intervalo.
  • Trabalhar em blocos de atenção concentrada (sem interrupções) durante 30 a 40 minutos, no máximo.
  • Parar o estudo e atenção concentrada, quando perceber bloqueios, dificuldade de atenção e pensamentos paralelos.

Como estudar?

  • Aprender a ser autodidata, um professor de si mesmo.
  • Procurar lugares sossegados, confortáveis, que permitam a concentração.
  • Trabalhar todos os módulos cognitivos da sua inteligência – linguística, lógica matemática, musicalidade, raciocínio espacial; psicocinética, interpessoal, intrapessoal.
  • Utilizar todos os sentidos; se você ouve você esquece; se você vê, você entende, se você faz você aprende.
  • Usar imagens; uma imagem vale mais do que 1000 palavras
  • Fazer perguntas e descobrir as questões mais importantes que resumem o aprendizado.
  • Escrever para gravar o aprendizado na sua mente.
  • Durante as aulas se concentrar em entender.
  • Durante os estudos se concentrar em fazer (resolver problemas, resumir, escrever e desenhar) para aprender.
  • O bom professor faz o aluno  entender, gostar e trilhar o caminho do seu aprendizado.

Como aumentar a sua inteligência?

  • Entender que inteligência vale mais que conhecimento, já que significa “o que” possibilita fazer com o conhecimento.
  • Usar todos os módulos cognitivos da sua inteligência – linguística, lógica matemática, musicalidade, raciocínio espacial; psicocinética, interpessoal, intrapessoal.
  • Fazer auto-análise para desenvolver a autoconsciência e planejar ações para aumentar as forças e reduzir as fraquezas.
  • Observar que qualquer pessoa tem falhas mentais, passíveis de serem eliminadas e pode desenvolver qualquer tipo de habilidade.
  • Se conscientizar que o seu raciocínio sempre poderá ser mais rápido, ágil e criativo.
  • Observar que as limitações auto impostas são as maiores inimigas do seu desenvolvimento.
  • Evitar coisas que não estimulam a inteligência ou a enfraqueçam, como drogas, muita televisão, má alimentação, má respiração, etc.
  • Estudar principalmente para aprender e não para obter certificados ou diplomas.
  • Criar o hábito de estudar pouco, mas todo o dia.
  • Aprender a se organizar e aplicar métodos para entender e aprender.
  • Buscar desafios para exercitar o cérebro, fazer ginástica mental e resolver problemas.
  • Praticar a leitura para desenvolver a imaginação e criatividade.
  • Treinar a sua fala e ler em voz alta para aumentar a capacidade de se comunicar, raciocinar e escutar você mesmo.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é palavra_chave.png

Palavras chaves: inteligências x conhecimento, processos cognitivos, estudar, entender, aprender, reter conhecimento, gerenciar tempo, repetir espaçadamente, dormir, sono, pensamento focado, pensamento difuso, memórias, memorização, neurônios, sinapses, capacidades, limitações; gerenciar tempo, procrastinação.

Saiba mais. Aprender a AprenderComo se tornar mais inteligente?Ferramentas CognitivasConceitos, Definições e Palavras ChavesPerguntasMapa MentalMapa Conceitual.